Quinta-feira, 7 de Setembro de 2006

Um dia para esquecer...

Foi um dia para esquecer o que se passou ontem, um pouco por cada canto da Ilha da Madeira. Deflagraram inúmeros fogos que colocaram as corporações de Bombeiros no combate, que mesmo assim foram poucos para evitar males maiores.

Em toda a minha vida, nunca vi nada que se possa comparar com o que vivi ontem, nada pode descrever o que vi e o que senti ao ver a minha terra completamente “queimada”. Já vi imensos fogos no Continente, na televisão, vi imagens de pessoas desesperadas ao perder as suas coisas (aliás não tolero imagens que mostram o sofrimentos de pessoas nestas situações), mas estar a umas centenas de metros do fogo, faz-nos viver os momentos de outra forma. É realmente horrível, ouvir os gritos de desespero e aflição das pessoas, que as suas casas começam a ser atacadas pelas chamas.

 

Sinceramente, sou da opinião que o fogo teve mão criminosa, como a maior parte dos fogos. Tudo por interesses! Para poderem comprar o que foi destruído e começar a construir algo em betão. Então, fazem-se aproveitar destas épocas em que temos temperaturas extremas como, 34ºC, para o poder de destruição conseguir ser pior.

 

Foi uma noite mal dormida, sempre com o pressentimento se as chamas pudessem ou não voltar. Felizmente, pelo menos aqui perto da minha casa, as chamas conseguiram ser controladas, no entanto outras tantas zonas continuavam a ser lavradas pelo incêndio.

 

De louvar, uma vez mais, é o desempenho prestado pelos soldados da paz que reuniram todos os esforços e “conseguiram” estar em cima dos acontecimentos de modo a não permitir uma maior propagação dos fogos, mesmo com faltas de meios como um helicóptero, no auxílio ao combate. Mesmo assim, um homem não conseguiu sobreviver após ter salvo a sua mulher.

 

Um pedido a todos: ao verem movimentos estranhos perto de matas, não deixem de informar as autoridades, eles saberão como proceder. Tome cuidado com as queimadas, cigarros e não parta objectos de vidro e as atire para as matas. Preserve o que é nosso.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinto-me: Triste
Criticalhado por RM às 00:01
Link da Crítica | Critica | Escarrapacha aos favoritos
|
23 comentários:
De Ana S a 11 de Setembro de 2006 às 18:26
É uma grande maldade destruir a natureza por interesse e ainda por cima por em risco a vida e bens materiais (que tanto custaram a adquirir) dos outros. São esses que mereciam um grande castigo para a vida toda.
De Alvaro Faustino a 12 de Setembro de 2006 às 12:37
Depois de já terem queimado quase todo o continente, já se esperava que se voltassem para as ilhas. Já vivi de perto, por mais do que uma vez, essa situação de estar frente a frente com o fogo. É algo inesquecível e assustador. Não é brincadeira estar a combate-lo, pois num segundo ele vira-se contra nós. Mas também, enquanto mostrarem nas tv's as imagens de incêndios e desespero de populações e bombeiros e andarem com essas coisas de alertas vermelhos, azuis e cinzentos. Nada disto melhora.
De Alvaro Faustino a 16 de Setembro de 2006 às 13:40
Querem ver que estes dois foram de férias e não nos disseram nada? OI. Onde andais?

Criticalhar post

Contacta-nos


Image Hosted by ImageShack.us
criticalhando@sapo.pt

Horas

Críticas no Prazo de Validade

Certo ou Errado?

"Eles" andam aí....

Direito à Liberdade...

E esta Heim???

Até já...

Um dia para esquecer...

Inteligência medida aos p...

Afinal Como "O" Pronuncia...

Crescidos mas nem tanto.....

E vocês... Lêem?

Críticas Fora de Prazo

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Visitas