Quarta-feira, 8 de Novembro de 2006

Certo ou Errado?

              Bem entre eu e a minha amiga MB, acho que sempre tive uma crítica mais séria, e ela uma crítica em que tentasse divertir mais as pessoas que a lêem.
            Ora bem, não fugindo à regra do que tenho vindo a fazer, hoje vou falar de um assunto que me está indignando muito, por mexer com relações pessoais.
 
            Até antes de conhecer este caso, eu era um pouco contra estas situações, no entanto, vendo de perto como é que as coisas funcionam o caso muda de figura e agora aceito e até defendo estes casos, pelo menos o do meu amigo. Falo eu de adopção de crianças por uma pessoa homossexual. O meu amigo, de agora em diante designado por Miguel, vive sozinho e sempre desejou ter um filho, poder ensinar-lhe várias coisas, vê-lo crescer e ele próprio aprender porque ser pai é uma experiência fantástica! O Miguel começou a visitar uma instituição onde têm crianças para adopção e numa das suas visitas viu um rapaz, vou chamá-lo de João, com 9 anos do qual gostou muito! Nas suas visitas já ia para estar com o João e começou a criar-se empatia entre ambos, já que os menino que ali estão, mesmo que bem tratados, necessitam sempre de uma atenção extra.
Então o Miguel, mesmo vivendo sozinho, deu entrada ao processo de adopção do João, dado que tinha uma vida estável e acima da média do Português “normal”. Passando por uma fase “experimental” eles estão juntos à quase um ano, enquanto o processo continua.
            Mas como existem pessoas para tudo, fizeram uma acusação à instituição alegando que o Miguel seria “Gay” e só este facto de suspeita atrapalha todo o desenvolvimento do processo. Agora por artes e artimanhas andam a investigar a vida do Miguel para comprovar se é homossexual ou não, como se alguém tivesse escrito na testa as suas opções ou através de uma simples análise de sangue venha lá escrito: Homossexual Positivo, Bissexual Positivo ou Heterossexual Positivo.
 
            Como disse no início, acho, sim porque não tenho a certeza, mas acho que no início era contra este tipo de adopções, mas ao ver o quanto o Miguel e o João se apegaram como pai e filho, o como eles se apoiam um ao outro, ao ver que têm uma relação completamente normal, porque não dar o benefício da dúvida e deixar aquela (e outras crianças na mesma situação) serem felizes com alguém que verdadeiramente tenha amor para lhes dar!!???
 
            E se, por acaso, e infelizmente, os laços de amor criados entre estas duas pessoas for quebrados, como ficaram??? Como ficará o João ao voltar para a instituição? Será que existirá alguém que o queira adoptar mais tarde??? Acho que todos temos que ser realistas e a maior parte das pessoas só quer adoptar bebés com poucos meses de idade!!! Porque vemos essas instituições cheias de crianças já grandes por aí!!! Conclusão, destrói-se uma “família”, o coração de duas pessoas que já estão ligadas uma a outra, só por uma mera suspeita! E fosse verdade ou não, olhamos para os dois e reparamos que só lhes tem feito bem!!!
 
            E a vossa opinião??? Qual é?
RM
Sinto-me:
tags:
Criticalhado por RM às 11:03
Link da Crítica | Critica | Escarrapacha aos favoritos
|
43 comentários:
De Andesman a 8 de Novembro de 2006 às 14:50
Ó RM, mas isso são preconceitos e descriminação, e isso é ilegal. Porque é que não se faz um acompanhamento adequado para ter garantias de que o Miguel respeita, trata e educa bem o João e agir em conformidade em vez de separá-los?

1 abraço
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 09:45
Andesman pois é, mas infelizmente vivemos num mundo em que se descrimina muito: descrimina-se se temos o cabelo vermelho, descrimina-se o corte de cabelo, descriminação à roupa que se veste, descrimina-se pelo modo de vida que se tem, ou seja tudo e mais alguma coisa, aqui será normal descriminar tudo.
Vamos lá ver como as coisas se desenrolam!!!
De ciloca a 8 de Novembro de 2006 às 22:30
È um assunto deveras complexo. Não concordo com adopções de crianças por parte de homossexuais, pois digam o que disserem uma criança deve ter referências ditas normais e digam o que disserem ser homossexual não é norma, foge à norma.Aceito as diferenças, espero que essas pessoas aceitem que ser diferente implica também outras diferenças.Devemos pensar nas crianças, que serão confrontadas, na escola na rua com o facto de terem duas mães, ou dois pais? E os problemas mentais que daí possam advir.
È um assunto muito complexo, mesmo.
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 10:05
Pois é Ciloca, existem diferença como disseste é preciso respeitar, agora quanto às outras diferenças, será que devem mesmo existir??
Há muito tempo que eu vejo as mulheres pedirem os direitos de igualdade, e aí ninguém diz que os homossexuais, sejam homens ou mulheres, estão excluídos dessa igualdade!!!
Os próprios Direitos Universais do Homem, não excluem sexo, raça, cor ou opcção sexual.

Complicado para as crianças ter dois pais ou duas mães?? Talvez, mas alguém já lhes perguntou se eles se importam assim tanto com isso? Eu pelo menos nunca ouvi nenhuma dessas crianças falarem sobre isso!!!

De salientar que o Caso do Miguel é diferente, ele vive sozinho, há imenso tempo, está agora com o João e da forma que o conheço, muito dificilmente terá alguém tão cedo! Ou seja falamos de um pai que educa o seu filho sozinho, independentemente da opcção sexual, portanto não há ninguém que ande pela rua e que lhe vá apontar o dedo, por só ter um pai!!!!
Os meus sobrinhos por exemplo só têm o pai, porque a minha irmã faleceu, no entanto não são descriminados nem olhados de lado por só terem um pai, não é verdade???

Dentro do mesmo caso existem várias vertentes a serem exploradas, esta é uma delas!!
De Adrianne a 9 de Novembro de 2006 às 00:13
Penso que não há problema em falar de "coisas sérias", especialmente em casos como este que acabaste de expôr.
Acho que esse tema é ainda muito polémico, existem opiniões divergentes especialmente num país conservador como Portugal ( não sendo esta, no entanto, a principal razão da polémica... mas passemos á frente). O que me faz imensa confusão/revolta é ver crianças cujos pais são heterossexuais abandonadas por aí ao Deus dará, sem a atenção, carinho e respeito que tém direito. Crianças estas que nascem no seio de uma "família" ( se é que se pode chamar assim ) completamente destruída pela droga, álcool, violência... No fim, acabam numa instituição que muitas vezes é a tábua de salvação. Entre tantas crianças, são os bébés que tém mais hipóteses de ser adoptados. Os outros...ao completar a maioridade são enviados para lares onde, anos mais tarde terão de aprender a se "desenrascar" sozinhos. Por isso, um bem haja ao teu amigo! Espero que as coisas se resolvam pelo bem dos dois.

P.S. Há algum tempo atrás, a mtv passou um programa que falava de vários casos da vida real e um dos episódios, falava exactamente de casos destes: jovens que tinham sido adoptados por homossexuais. Foi uma perspectiva diferente e interessante das coisas...serviu para pôr algumas cabecinhas a pensar, inclusive a minha!
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 10:10
Pois é Adrianne cada qual tem a sua opinião e é livre de assim o ter, e ainda bem!!! Que seria do Amarelo se toda a gente gostasse dessa cor?
Infelizmente não assisti a esse programa na MTV, tenho pena, porque é ver uma realidade a que não estamos habituados a ver!!!

Disseste muito no comentário, principalmente, a parte em que os bebés são os que mais probabilidades de serem adoptados! E os outros?? São "jogados" por aí??? É uma pena que o país seja assim!!!
De castor a 9 de Novembro de 2006 às 03:16
Certo ou errado? Se houver amor, dedicação e empenho em criar uma criança, está sempre certo. Errado é passarem uma vida de reclusão e de limitações de vária natureza por causa de preconceitos e dogmas que urge ultrapassar. Errado é ver pessoas com grande capacidade de dar e estarem limitadas socialmente a fazê-lo. Tenho dito!
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 10:13
Castor este é mais um caso para dizer "rôda-se", não???
Amor e dedicação??? Claro que existe, ninguém adopta ou tenciona adoptar uma criança só por capricho!!! Capricho é ter que se sujeitar a regras parvas e estúpidas que não lembram nem ao diabo e que "estragam" a vida das pessoas!!!
De ImSo a 9 de Novembro de 2006 às 13:10
É realmente uma situação complicada. Lendo a situação do teu amigo e do Miguel, apetece de imediato dizer que é uma injustiça se não puderem ficar juntos. Se generalizarmos, sou contra, sem duvida nenhuma. Não é possível educar de uma forma normal uma criança que viva com um casal de homossexuais. Não é normal ter dois pais ou duas mães, não é normal assistir a certas demonstrações de carinho entre pessoas do mesmo sexo e não será normal também que a criança consiga crescer de forma normal. Depois sabemos como as crianças conseguem ser duras e injustas umas com as outras e se tentarmos imaginar tudo o que pode acontecer na escola, na rua, nas actividades desportivas ou em qualquer outra situação de contacto com as mesmas, a vontade de ser condescendente desaparece. Não tenho preconceitos contra homossessuais, acho que cada um é livre de optar pela maneira como quer viver. Considero que ao deixar que uma criança seja adoptada por homossexuais lhe estamos a negar o direito à escolha. Não se pode esperar que ela entenda a situação, muito menos que tenha capacidade para escolher.
Decididamente, e que me desculpem os homossexuais, sou contra. Totalmente contra.

Um abraço e um beijo pa MB
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 10:29
ImSo hello again "amigo"!!!
Em primeiro lugar é bom depois de saberes parte da história do Miguel e do João, que aches injusto eles serem separados, talvez porque tenhas visto que é uma relação tão especial, que não pode ser destruída e ter esta visão para quem é totalmente contra é óptimo, é sinal de flexibilidade!!!

Explica uma coisa que não percebi lol uma criança ser adoptada por homossexuais é deixá-los sem escolha?? Que escolha? Eu nunca escolhi os meus pais, tenham eles os maiores defeitos, não pude escolhe-los!!! "Coitados" das crianças que são abandonadas em lares, que também não tiveram escolha! Estás a falar em que tipo de escolha?

Como disse à ciloca, este caso talvez seja tão isolado dos casos gerais de adopcção homossexual, porque o Miguel é completamente sozinho, simplesmente fizeram uma denúnica sem prova de nada e julgam que como ele mora sozinho será homossexual, como se todas as pessoas que vivem sozinhas o sejam! Pronto que remédio!!! E como disse á Ciloca será que aquelas crianças que não têm mãe e vivem só com o pai são apontadas na rua porque vivem só com o pai?? A minha resposta é não, não sei a tua, mas esta é a minha!!!
De ImSo a 10 de Novembro de 2006 às 12:45
Refiro-me ao que a criança poderá sentir assim que tiver idade para perceber que os pais adoptivos são homossexuais e todos as inconvenientes que isso pode trazer e que não vale a pena estar a enumerar por serem conhecidos de todos. Que sentirá ela? Pensará que não sabia de nada quando a deram para adopção, que não pôde escolher...
Aceito perfeitamente opiniões contrárias mas a minha mantém-se. Imagino-me na situação e não gostaria!
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 14:13
Mas é tal e qual como eu já disse à Ciloca, mas alguém de nós já falou com uma criação adoptada por um casal gay ou por uma única pessoa, para ver como se sentiram e como se sentem???

Porque o mesmo acto em países desenvolvidos não têm o mesmo impacto que aqui e as crianças vivem felizes e não são descriminadas como os vossos comentários recaem sobre essas crianças serem recriminadas??? Na verdade o acto é o mesmo, às tantas o problema não está no pai ou na mãe homossexual, está sim, na mentalidade que o povo português ainda tem!!!
De soslayo a 10 de Novembro de 2006 às 12:58
RM,

Era como tu! Em princípio não via com bons olhos estas adopções mas, atenção eu também sou fruto desta sociedade preconceituosa e daí ainda ter alguma relutância sobre essas coisas. Como sou pessoa que acompanho sempre a evolução dos tempos vou me certificando que existem outras maneiras de pensar e agir. Não vi o tal programa da MTV e tenho pena por isso, porque goste estar sempre a par como é que o mundo evolui! Sinceramente não pense que seja útil para o rapaz ser devolvido à instituição, porque numa fase adulta poderá virar um marginal excluído do contexto social e vejo-o mais protegido por uma pessoa que no fundo se interessa pelo futuro daquele ser humano que apenas precisa de quem lhe dê a mão e um empurrão para puder singrar na vida. Tenho um sentir comigo que é o seguinte: "tenho muito medo dos puritanos!" Estou de acordo com o Castor! Um abraço.
De RM a 10 de Novembro de 2006 às 14:20
soslayo a evolução nunca fez mal a ninguém, desde que bem medida!!!
É claro que os primeiros casos, por seres quase que únicos, estranhamos!!! Mas já estou pior do que aquele velhinho da Coca-Cola: "primeiro estranha-se, depois entranha-se!!!"
E depois dos primeiros casos se tornarem públicos e acaba por ser algo banal!!!!
A mulher também não trabalhava antes, as primeiras a ccomeçar a trabalhar, foram muito críticadas e alvo de conversa, agora grande parte das mulheres trabalham, têm cargos melhores do que os homens e estão a vencer na vida! Tornou-se um hábito!!!!

Casos como este também têm que se tornar um hábito bom!!! Porque estão imensas crianças à espera que alguém as adopte, para terem amor, carinho, atenção! E existe uma porcaria de uma sociedade que nunca sabe ver o ponto positivo das coisas e deitam os sonhos das crianças e dos futuros pais por água abaixo!!! Quando na verdade grande parte das pessoas que ditam as "regras" são homossexuais ou então matém-se escondidos atrás de uma farsa, chamada casamento, e enganam os seus conjuges e acima de tudo a si próprios, depois têm a liberdade de ter atitudes estúpidas e reveladoras de ignorância como estás de uma pessoa ser livre de adoptar uma criança que precisa de ajuda, de um pai ou de uma mãe, não importa!!! Simplesmente precisa do que no orfanato nunca poderá ter!!!
De ciloca a 12 de Novembro de 2006 às 17:11
Voltei para ler com atenção todos os comentários. Como disse é um assunto tão complexo, que suscita imensos comentários. Julgo que desta discussão fár-se-há luz.Por agora vou ficar atenta ao tal programa que também quero ver. São exatamente as experiencias já vividas um grande contributo para as nossas reflexões. Este é um assunto ao qual não podemos dar as costas, pois caminha-se inevitavelmente para a necessidade de tomar medidas. Temos todos um grande caminho a percorrer.
De RM a 13 de Novembro de 2006 às 09:31
Pois é Ciloca enivitavelmente caminhamos para esse caminho, cada vez mais crianças serão adoptadas por casais homossexuais, tal como são adoptadas por casais heterossexuais! A cada dia será um passo cada vez mais comum, tal como uma pessoa sozinha, embora com muitos obstáculos pelo caminho que se opõem à adopção nestas situações, mas também passará a ser um acto comum seja por qual for a escolha sexual das pessoas!!!
Eu também gostava de ver esse tal programa, uma vez que é a ouvir como as pessoas que já passaram pro estas situações que vamos ver o que realmente sentem!!! Mas de uma forma ou de outra as pessoas sentem de diferentes modos, tal como somos todos diferentes!!!
Mas desta vez vamos ver quem já foi adoptado nestas situações, falar como se sentiu e como ainda hoje são filhos dessas pessoas!!! Isto porque como já referi, até agora nós só suposemos como as crianças se sentiriam, mas não sabemos como na realidade se sentem!!!
Boa Semana!!!
De Estranha a 13 de Novembro de 2006 às 19:20
De facto uma questão polémica demais para as mentes tacanhas do português comum... enfim, vivemos num país onde é mais importante as aparências que os afectos, onde já ninguém se importa com ninguém...porque haveriam de se importar se o "João" ou o "Miguel" estão felizes um com o outro??? Por vezes tenho vergonha de ser Portuguesa... mas fala mais alto a Justiça de merd@ que temos e a opinião estúpida dos infelizes hetero que nem uma vida sexualmente saudavel têm, quando mais capacidade para encaixar na cabecinha que todos somos seres humanos independentemente das nossas escolhas... Espero que este assunto se resolva da melhor forma para os dois, mas tenho sinceramente as minhas dúvidas... Felicidades, para ambos. Estranhamente, um beijo!!
De RM a 14 de Novembro de 2006 às 09:11
Estranha mais directa não podias ser!! E isso é realmente óptimo!! Adorei!
Estou de acordo contigo e até ri, com a situação dos infelizes heteros!
Continua a ter uma boa semana!!!
Kiss
De ImSo a 14 de Novembro de 2006 às 15:47
Desculpa-me se percebi mal mas... és lésbica ou és mais uma das infelizes hetero com uma vida sexual não-saudável que emitiu uma das suas estúpidas opiniões?
Sim é verdade, todos somos seres humanos, independentemente das nossas escolhas. E sendo assim nem deveriam estar com a mariquice que a justiça de merd@ tem de avaliar se o casal tem condições para a adopção. Deviam era entregar a criança sem fazer perguntas. Porque somos todos humanos... ainda que seja um casal de assassinos, drogados, sem casa e pedófilos. Sim porque os pedófilos são seres humanos e ninguém pode negar que gostam de crianças!!!
Afinal as coisas são simples, estranhamente simples até!!!
De RM a 14 de Novembro de 2006 às 15:58
Oppps! Calma!! HIHI cheguei aqui!!!
Acima de tudo os nosso comentários, seja de quem for tratam-se de opiniões!!! E a verdade é que existem frustrações seja para quem for, seja hetero como homo (bicha frustrada, sempre ouvi falar, sem qualquer ressentimento é só para quebrar o gelo)
Quanto à entrega das crianças ImSo entregar a qualquer um não vale a pena! Porque se fosse para viverem pior do que estão a viver, mais vale continuar onde estão!!! Não achas?
Embora concorde contigo, quando dizes que as coisas são simples! Porque na verdade são mesmo!!!
De katrina19793 a 14 de Novembro de 2006 às 23:40
Bem!!!!!!! Uma pessoa vai de férias e qd volta houve a revolução bloguística LOLOLOLOL Grande tema lançado... olha eu sem puritanismos nem nada do género não concordo com a adopção de crianças por parte de casais homossexuais..casais.. simplesmente porque as crianças têm direito no mínimo a um pai e/ou uma mãe e sinceramente, se bem que no seu interior o amor possa até ser o mais puro possível, mais tarde ou mais cedo irão sofrer as consequências sociais da sua "condição de vida". Quanto ao caso q tu descreves... sabes q uma opinião é sempre uma opinião por isso acho que certezas temos só quando passamos "por elas"... olha que o teu amigo tenha sorte e acima de tudo que tudo se resolva em prol do bem da criança :)) Resumindo: o que sabemos nós???hihihi jinhuzzz
De RM a 15 de Novembro de 2006 às 09:26
katrina19793 espero que as férias tenham corrido muito bem!!! (também já estou a precisar, outravez LOL)
E que revolução bloguística, nem adivinhas!!!
Bem, como já disse eu aqui faço tanto papel do "diabo" como do "anjo", e como já deves saber aceito sempre, mas mesmo sempre, as opiniões dos outros, e estes comentários não foram excepção! Mas quando dizes que uma criança deve ter no mínimo um pai e uma mãe, estás a excluir os casos em que muitos deles, enquanto pequenos já perderam um deles e vive simplesmente com um deles!!? Já referi isto noutro comentário, mas serve de resposta ao teu dado que podes não ter lido os outros!!! HIHI
Kisses, porta-te bem!!!
De K471 a 15 de Novembro de 2006 às 22:28
Saudades de cá vir...
Olá...
De castor a 17 de Novembro de 2006 às 02:33
Quero mais!!!!! Quero mais!!!!!!! vamo lá, vamo lá....
De RM a 17 de Novembro de 2006 às 09:59
Oh Castor parece que as ideias tiraram férias e não avisaram nada, vamos lá ver como funcionará nos próximos dias! HIHI

Criticalhar post

Contacta-nos


Image Hosted by ImageShack.us
criticalhando@sapo.pt

Horas

Críticas no Prazo de Validade

Certo ou Errado?

"Eles" andam aí....

Direito à Liberdade...

E esta Heim???

Até já...

Um dia para esquecer...

Inteligência medida aos p...

Afinal Como "O" Pronuncia...

Crescidos mas nem tanto.....

E vocês... Lêem?

Críticas Fora de Prazo

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Visitas